terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Diane Arbus and her freaks!


Tive um pesadelo. Senti-me uma verdadeira Diane Arbus rodeada pelas suas aberrações.
Tenho medo de voltar a adormecer.
Nunca compreendi o fascínio dela por coisas assim. Secalhar isso matutou demasiado a minha cabeça e revelou-se o meu fascínio dramático, por ela, esta noite!
Ah, para quem não viu, recomendo. O filme sobre a vida de Diane Arbus, uma senhora do mundo da fotografia. "Fur" é o nome do filme.

Estou tão cansada e com medo de adormecer...

Tem que ser...
Beijinhos e até amanhã.


PS.Francisquinho, espero ver-te em breve... Talvez amanhã! Vou para aí. Espero passar aí em casa a dar um beijinho.

sábado, 27 de dezembro de 2008

Abracinhos


Passaram-se vários dias... Mas voltei!
O natal passou-se... Antes ainda me diverti e muito na festa Bond.

Descobri que a minha cabeça não pára de pensar... Não pára de imaginar. Por isso é tudo tão complicado. Sempre tudo tão difícil.
"What you'll gonna do about it?"

Só quero ser mais simples. Simplificar tudo. E ficar sozinha...

Ou melhor, gostava de estar acompanhada, mas bem acompanhada. Tem-se notado uma tarefa difícil de aplicar!

Pedro, tenho saudades de conversar contigo.

Beijinhos. E abracinhos...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Cabelo Novo, Vida Nova!

Adoro-me.
Adoro como uma mera conversa me faz mudar tanto a minha maneira de estar! De sentir.
Agora estou um bocadinho triste. Nem sei se é triste que me sinto. Sinto que me falta qualquer coisa.

Alguém em quem pensar, talvez!

Amanhã acordo a sentir-me outra... Nada de mais deprés!
Sinto que vou acordar bem.
Quero acordar bem. 
Quero ir para as aulas, às 10h para fazer companhia à Madalena.
Quero almoçar com ela.
Quero ir cortar o cabelo.
Quero ir passear por Lisboa com a minha semper semper sem pensar para onde, nem até quando. 
Andar andar andar. Sem comer comer comer.

Deprés... XÔ!

Cabelo novo, Vida nova!

Besos.

PS.Trabalha Milena. XD

Acima de tudo



Hoje, segunda-feira, 15 de Dezembro. Acordei. Fui à wc. Aqueci água. Bebi chá!
Visto-me e de seguida vou para as aulas.
Queria perceber se estou bem, se acordei bem, mas acho que isso só vai acontecer quando não cair a correr para o autocarro, quando um pombo não fizer as necessidades num céu imenso mesmo por cima de mim, quando não me entalar na porta da sala ou não escorregar mesmo no meio do hall da faculdade!
Para mim assim já significava que estava bem.
Porque o resto, aquilo que me levaria a sentir-me em harmonia com o mundo, está longe...

E não, não é um rapaz... É um amigo. Um sorriso!
Saudades? Ainda não.

Boa sorte Pedro.
Parabéns Catarina Sousa.


Beijinhos!

Conta as estrelas do céu e sonha. E pensa. E lembra-te de mim.

domingo, 14 de dezembro de 2008

Neopolitan Dreams

Andava já à algum tempo a saborear momentaneamente e através de escassos segundos a música do anúncio de natal do el Corte Ingles.
Ei-lo.

Tinha tentado por diversas vezes, mas sem êxito, descobrir a quem pertencia tal fenómeno musical que tanto me inspirava a alma. Hoje Consegui!

Imaginem. Óptima para ter no Mp3. Para caminhar por Lisboa com a cabeça erguida, uma bela camisola para proteger do frio de rachar, e um sorriso enorme enquanto me dirijo para a faculdade! Querem melhor que isto?


Até o título é sonante!

Besos.


quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Vida dura!

Às vezes apercebemo-nos de que é melhor sonhar que lutar pela felicidade real...

Eu queria muito. Mesmo muito.
Mas não sei o que fazer. 
Chorar? Já não consigo. 
Lutar? Não me deixas. 
Desistir? Fácil demais. 
Esperar? Muito doloroso.
Eu quero não gostar de ti.

Eu queria apaixonar-me por um erasmus, esquecer o meu mundo e entrar noutra realidade.
Mas não consigo.

Eu queria muito.

Beijinhos e bons sonhos. Hoje para ti Andres.  Que querido. XD

sábado, 6 de dezembro de 2008

Doente? Já não. Triste!

Descobri que o amor não é bem aquilo que sempe nos explicaram... Que sempre nos quiseram transmitir.

O amor é uma dor constante... Uma tristeza inoportuna!
O amor mantém-me triste, mantém-me sonhadora de uma felicidade distante, presente apenas no pensamento.
Amor é o que eu mais quero. Mesmo definido desta forma.

Eu sinto amor por ti. Não sei porquê, não preciso nem quero perceber. Sinto-o, de uma forma incontrolável. Magoa-me. Custa tanto pensar em ti. Tentei recusar, negar. Tentei entender.
É impossível... O amor é isto. É essa impossibilidade! Sem ela não se tinha tornado em amor.

Espero que me percebas. Não vou deixar de sonhar. Isso levaria-me para mais longe. E eu só quero estar perto. Não me vou afastar. Não vou desistir. Não quero. Já não consigo falhar mais... Desistir mais...

Estou aqui!
( Se pudesses viver para sempre, por quem o farias? Por ti. )

Beijinhos João.


quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Que nos próximos 25 seja cada vez melhor!

Twilight - Crepúsculo

Terça-feira, assim meia doente, conseguiram proporcionar-me o mais simpático, romântico e imaginativo, o melhor serão de há muito tempo.
A melhor e maior história de amor que já me contaram.
A partir daquela estreia passei a desejar viver naquele mundo. Sonho viver um momento daqueles.
Edward Cullen é um delírio.
E eu acho que estou apaixonada por ti.
Beijinhos.



E para sonhar...


When you can live forever... What do you live for?


Besos.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Sonhar e Voar

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer...

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre a mãos de uma criança.


Fico muito contente por saber que conseguiste... Segues um sonho. Uma vontade.
Como no "Memorial do Convento", apanha as vontades e VOA.
Parabéns Duarte.
Beijinho.

Voz sem nome

António Lobo Antunes diz que existem vozes sem nome dentro de nós... A voz do autista.
Penso qual será o significado desta ideia.
Voz sem nome!
Uma angústia, uma procura de si, diz o autor.
Sinto como constante uma angústia. Procuro-me freneticamente a mim própria.
Mas falo. Escrevo. Canto. Danço. Olho. Toco. Sem uma consciência presente. Sou eu.
Apresento-me assim, tal como estou. Tal como fico. E actuo. E ao agir sou cada vez mais eu. De qualquer forma. Vou-me construindo. Vou aparecendo. Grito uma voz sem nome. Não me admito mas assumo-me.
Fico bem. Estou bem, no fundo. Cada vez mais diferente.

PS.Um dia, quando quiseres voltar a estar presente vais aperceber-te que perdeste esta transformação. Que mudei. E aí tenho medo que não saibas como recuperar. E que eu não queira aceitar.

Um beijo e um queijo.

Duarte, já voltavas, não? Quero chá!

Fascínio / Declínio


Vi. Ouvi. Sobre a escrita. Mas principalmente compreendi a maior problemática da vida:
"Para quê?"


Escrever entenda-se como que um percorrer de um caminho em busca do silêncio! Da perfeição. Momento único. Escrevo e torno-me diferente. Escrevo e altero o meu eu. Nunca tinha pensado nesta perspectiva. Mas sempre que me sinto confusa, escrevo para me esclarecer.
Escrevo para me melhorar. Escrevo para me tornar um novo eu a cada momento que o faço. E sinto cada vez mais essa necessidade. Escrevo para ti, mas essencialmente para mim.


"Jogar com as cartas viradas para cima, não tenho nada a esconder".
Nunca estive verdadeiramente doente, mas situações da minha vida têm-me levado a adoptar também esta presença.

"Agora estou em paz com ele, como em vida nunca estive!"
Não sei se esta ideia me assusta ou me ilumina... Mas espero que não aconteça tão tardio. De qualquer maneira dá-me esperança... De que num futuro, seja ele qual for, onde quer que aconteça, venha a existir perpetuado um sentimento de paz. Pai.

Tenho tentado conviver com isto que está cá dentro. Mas não resulta. Não sei o que sinto. Não sei de que forma me influencia. Nem ao escrever consigo compreender. Longe de tudo. Transcendental a mais ainda.
O silêncio talvez seja a única solução. A complicação da escrita de Lobo Antunes, essa busca incessante da perfeição literária, a procura desse silêncio aconchegante... São agora o objectivo a que me dedico.


"Os livros deveriam ter o nome do autor. O autor é que escreve o livro."
Escrevo aqui para que leias... Para que te sintas tocado. Para que escrevas este texto comigo. Para que o interpretes, o compreendas, para que me transmitas o teu texto. Para que me perdoes e deixes ser perdoado.
Para que desculpes o mundo por ser tantas vezes tão rude. Para que me mostres que o meu mundo pode ser menos assim se estiveres comigo.


Estou cansada. Vivo cansada.
"E então zanga-se com Deus."
Faz as pazes! Aceita-me como sou.




sábado, 8 de novembro de 2008

A minha manhã de sábado


Tenho obras no andar de baixo. Alguém sabe o que isso significa? Pois eu sei, que à cerca de 1 ano fizeram obras no andar de cima. Significa durante umas belas semanas não poder acordar mais tarde que as 8h da manhã. MAS... excepto ao FIM DE SEMANA.
Como seria de esperar, e com muita alegria minha, hoje pensei ser-me possível dormir tranquilamente até mais ou menos às 10h (seria a hora razoável para acordar e seguir o meu dia, sem preguicite alguma). Pois eram 8h30 da manhã e já estava eu a acordar com uma dor de cabeça infernal de gritar e berrar por menos. Muito menos... Foi isso que fui lá abaixo dizer... Gritar!
"Indecentes, vocês são indecentes". Foi o que ouviram. É o que digo e repito. Retenho a imagem da cara do empreiteiro, bastante engraçado até, com uma ar de aflito, sem saber o que me havia de dizer.... Eu falava, falava, gritava e no fim deixei-o com esta: "Se o senhor é assim tão indecente ao ponto de não respeitar os outros numa manhã de sábado, então continue!". Melhorou. Já não se houve quase nada. Mas eu já acordei e isso ninguém me devolve. A minha manhã de sábado...

Por outro lado, e falando já de teoria e não tanto de acção, esta noite, enquanto não havia barulho, pensei... E pensei... E pensei...
Não é isto que eu quero para mim! Teria que haver muito mais... Teria que se querer muito mais... E eu não estou para estar a sofrer mais tarde por uma coisa que não existe e que já me magoa no início. A minha vida não existe para ser tornada em sofrimento.
Foi muito giro. Diverti-me imenso. Ainda me divirto ao lembrar-me. Mas eu quero mais... E o meu "mais" significa que tenho muito mais para dar... Muito mais amizade, carinho e respeito para receber e retribuir!
Tu não tens tempo, muito menos vontade para isso.
Agora... Para outras coisas?!? Mil programas?!? Semper Semper...

O fim de semana, espero, vai ser passado no convés do São Nicolau e em redor dele. Que saudades que eu tenho. Muito estudo para a frequência de quinta feira, muito trabalho a preparar a curta a ser filmada na sexta...
Aqui e assim me fico. Acordada!
Beijos.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Futuro, Saudade e Beijos


Hoje soube o meu futuro próximo na sua forma mais concreta. Um fim de semana a estudar, uma semana a trabalhar e o meu primeiro ano sem golegã. O que vai ser de mim... Mas a curta tem que ser feita. E bem, por sinal, que vai de vento em popa.
Depois compenso.
As saudades são tão estranhas. Quanto mais tempo passa, menos as sinto. Não quer dizer que não as sinta. Mas a presença contínua das pessoas que pertenciam ao meu dia a dia, após alguma ausência, deixa de fazer sentido. Gosto, esporadicamente.
Isto da saudade fez-me lembrar o tema "beijos". Passa-se exactamente o mesmo. Com as pessoas e com os seus beijos. A partir do momento em que nos afastamos relativamente deles, a saudade vai diminuindo. Embora quando haja oportunidade de os recuperar, todos nós sabemos como aproveitar. Eu ainda estou na fase em que sinto aquela saudade. Gostava de já estar na fase de os recuperar.
E é assim aqui ficamos. Com os...
...Besos.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Futuro próximo...


Vou bater mal durante uns tempos... Mas preciso.
Nunca previ um futuro próximo tão rígido... E embora em caso de opção não o escolhesse, aceito com a maior vontade.
I cannot turn my back!
Sem dramas, com muito trabalho da faculdade pela frente, vou continuar com o meu sorriso. É o melhor em mim... É aquilo que gosto de receber, é aquilo que quero oferecer...
Quero ser feliz... Percebi que não preciso correr em busca dessa felicidade... Ela vem ter comigo. Eu só tenho que a aproveitar e não a deitar fora. E se não for este um final feliz, há-de ser pelo menos um meio para o atingir...
Acima de tudo Gosto de MIM!
Para ti, Inês, para ti Maria e para mim Sofia... Acordar cada dia com o pensamento mais positivo que encontrarmos. Tudo vai correr bem.
Aproveito para reclamar para as três o próximo fim de semana com o maior gosto, a ser passado ali para os lados das docas de Cascais... Good feelings about that!
Besos para todos.
Um especial.


terça-feira, 4 de novembro de 2008

Kelly family...

Estava por aqui a pensar e a remoer o meu pensamento...
A minha baralhação habitual tornou-se agora numa confusão boa de saborear!
De repente comecei a, diga-se, "cantarolar" uma música dos Kelly Family. Uma música que foi muito importante para mim, por ter acompanhado o princípio da minha adolescência. Uma música que existia permanentemente no meu, diga-se, "cantarolar" quando me apareceste pela primeira vez.
Voltaste a aparecer e eu estou a gostar disso. Sabe-me bem pensar em ti e isso basta-me. Acho que a música nunca fez tanto sentido como agora... Não consigo evitar pensar no inesperado que se passou. Como é de acreditar, adorei. Não me iludo. Não quero nem espero nada. Chega-me lembrar-me e sonhar com outros momentos. Fica aqui a mensagem.
Just kiss me goodbye!

If I would tell you
How much you mean to me
I think you wouldn't understand it
so I wait, I wait
Until this day comes
When you will understand me

But I can't help myself
I can't stop myself
I am going crazy
And I can't stop myself
Can I control myself
I am going crazy

And I love you
I want you
I wanna talk to you
I wanna be with you
And I love you
I want you
I wanna talk to you
I wanna be with you

I cannot change it
I'm sure not making it
One big hell of a fuss
I cannot turn my back
I've got to face the fact
Life without you is hazy

Kiss me thrill me don't say goodbye
Hold me love me don't say goodbye
Oh oh oh don't say goodbye

But I can't help myself
and I can't stop myself
I am going crazy
I cannot turn my back 
I've got to face the fact
Life without you is hazy

Oh oh oh 
Oh oh oh 
Kiss me goodbye

Segunda volta...

Amei – incondicionalmente – duas vezes na vida.

Uma a ti,

Outra o que achei que eras.

Nada recebi, mas também nada esperei,

Amei.

Simplesmente: amei.

E depois de amar,

Quando conseguiste finalmente matar esse amor,

Chorei.

 

Simplesmente: chorei, pelo tanto que te amei.

Não chorei pelo vazio,

Não chorei por nunca te ter tido,

Nem pela dor que me davas,

Nem por me teres obrigado a não te amar.

Não.

Chorei por ti.

 

Por não saberes deixar que te amem.

Um dia escreverei um poema,

Porque tive três ou mais amores na vida.

Um dia escreverei um poema,

Porque amei,

Simplesmente porque amei – incondicionalmente.

 

E tu,

Tu escreverás um poema,

Pela dor que hás-de sentir,

Porque eu te amei e tu ignoraste.

Eu amarei de novo, talvez mais do que te amei.

E tu nunca terás ninguém que te ame tanto,

Não que não valhas o amor... Vales... Valias...

Valias tudo,

Mas porque ignoraste o facto de eu te amar,

Mais do que há minha própria vida.

 

Inês Teixeira Botelho

Só e sempre para ti Joaquim

A fragilidade humana é imensa.

Somos dependentes dos outros.

Vivemos para amar e para receber o amor que nos dão.

Amigos, família, o artigo definido que acompanha o nosso nome.

Vivemos em grupo e sentimos aos pares.

Dói quando nos esquecem.

 

Quando crescemos juntos,

Mas sabemos que não vamos envelhecer em conjunto.

Dói ter chorado num ombro que já não é nosso.

Dói ter posto a mão no fogo e já sermos só cinzas.

Dói ter uma certeza de uma década que se dissipa.

Não ter palavras e ficar apenas um silêncio incómodo.

 

Não saber o que dizer, nem o que responder.

Ter vontade de esquecer e ultrapassar,

Mas não nos deixarem consegui-lo.

Dói saber que prescindem de nós como de um objecto,

Saber pelos outros que uma das nossas certezas,

Mais não era que uma ilusão,

Uma utopia.

 

E que todas as lágrimas,

Todos os sorrisos,

Todos os momentos,

Todas as saudades,

Todas as palavras,

Todas as cartas cheias de cores,

Todas as vezes que virámos a cabeça para olhar para trás,

Para confirmar que a amizade estava mesmo ali,

À distância de um gesto,

Foi apenas um erro.

 

E que esse erro,

Se camufla de arrependimento,

De um arrependimento tão oco,

Que nem as memórias mais fortes o podem sustentar.

Aí dói mais.

Saber que o arrependimento é uma palavra,

Acompanhada de pensamentos antónimos.

Que um sim é um não.

E que um não é um sim.

 

Dói olhar e não reconhecermos

A segurança,

O olhar,

As sardas,

A voz,

de antes.

Saber que o que foi, já não é.

Nunca mais.

E que até as nossas memórias não são fidedignas.


Inês Teixeira Botelho


Boa de ouvir... "Hold still"

In this little town
cars they don't slow down
The lonely people here
They throw lonely stares
Into their lonely hearts

I watch the traffic lights
I drift on Christmas nights
I wanna set it straight
I wanna make it right
But girl you're so far away

Oh, hold still for a moment and I'll find you
I'm so close, I'm just a small step behind you girl
And I could hold you if you just stood still

I jaywalk through this town
I drop leaves on the ground
But lonely people here
Just gaze their eyes on air
And miss the autumn roar
I roam through traffic lights
I fade through Christmas nights
I wanna set it straight
I wanna make it right
But man you're so far away

Oh, I'll hold still for a moment so you'll find me
You're so close, I can feel you all around me boy
I know you're somewhere out there
I know you're somewhere out there

Oh, hold still for a moment and I'll find you
You're so close, I can feel you all around me
And I could hold you if you just stood still
Oh, I'll hold still for a moment so you'll find me
I'm so close, I'm just a small step behind you
I know you're somewhere out there
I know you're somewhere out there
I know you're somewhere out there



Desta vez...

you came to this world
to see what i've done
and it's fine
so come and let's start
i'll give you all my heart
this time

don't walk away
cause baby i will love you more
i have this feeling
you're who i've been looking for
so close your eyes and read the signs
it's time to soar

you came to this world
to change what i've done
it's alright
but now you must dare
you can't pretend you're there
if you're mine

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Rita Redshoes 15 Dezembro Casino Lisboa

TÁ ESCOLHIDO!


Once I found a boy and he wanted to be free
He doesn't know, but he's stucked on near
Days passed and he's stayed lookin, for what he has done
Yeah baby, it's time to

Don't leave my side
Don't even try
'Cause baby I
Can take it
Don't choose to hide
Or show your pride
'Cause baby I
Can break it
If you lost your heart
There's a missing part
To love and care
So don't, don't, don't, don't say that I'm yours

I'm your ghost wherever you go, I'm with you
You're the most, oh
You can't give up
I'm with you
So calm, so prude
You'll fight my due

Don't leave my side
Don't even try
'Cause baby I
Can take it
Don't choose to hide
Or show your pride
'Cause baby I
Can break it
Don't say you're strong
Or get me wrong
'Cause baby, I
Can make it
Don't change your mind
You're gonna find your way back home 

domingo, 2 de novembro de 2008

BlogBlogs.Com.Br

Bué da Louco

Ontem foi, finalmente, o tão proclamado jantar da nossa amiga Maria Vassalo (aproveito para dar aqui os parabéns bloguianos à Maria e ao Zé que fizeram com que o meu fim de semana fosse uma paródia).
Uma bela festança. A de ontem. A de antes de ontem. A de antes de antes de ontem.
Uma bela surpresa. A de ontem.
Nem sei o que dizer. Vou reflectir sobre o assunto e volto mais tarde para contar.
De qualquer maneira...
Foi Bué da Louco!

Um beijo e um queijo!

If you heard it you could go over and whittle out a wishing box...

You could write his name on something and put it inside...

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

O verdadeiro

Hoje tenho vontade de escrever...
Não tenho conseguido dizer oralmente o que me vai na cabeça. Talvez assim o consiga exteriorizar...
Tenho estado sozinha. Em vários sentidos. Literalmente e não só...
"Quero sorrir, quero chorar" é uma frase de uma música que me tem inspirado. "Amar, eu quero aprender a amar, porque eu nasci para amar..." é a continuação. "Abraçar confiante a vida!" é o resto... É isto que eu quero para a minha vida. Só isto.
Estou sozinha em casa. Isso dá-me que pensar. Tinha dúvidas sobre como queria seguir a minha vida. Se me queria sentir acompanhada. Se queria voltar a sentir o amor verdadeiro. E quero. Quero principalmente descobrir outra vez esse sentimento. Não tenho já capacidade para o procurar. Aliás, diz-se que quanto mais se procura menos se encontra. Também não o quero provocar. Não quero criar situações que provoquem o meu envolvimento emocional com alguém.
Estou sozinha, sinto-me sozinha e isso faz-me bem, embora por vezes custe.
Não tenho ninguém no meu pensamento, coisa rara. Tenho pessoas que enchem a minha vida de outra maneira. A amizade é essencial para continuar... Mas descobri que posso ser diferente, posso ser melhor.
Ontem em conversa, e sem perceber como, descobri como me posso sentir melhor. A Inês disse-me à uns tempos uma frase que me marcou: "As pessoas têm que nos merecer". Descobri que dar valor aos momentos da minha vida, às pessoas da minha vida, aos actos que a enchem, valorizo não só os outros como principalmente a mim própria. Não são só os outros que têm que me dar valor. Eu tenho que me valorizar. E faço isso dando o que tenho de melhor. A minha pessoa.
Hoje no "Portugal no Coração" o tema era "O casamento para toda a vida".
Pensei sobre isso. Pensei no que me assusta no casamento. Eu penso nele para toda a vida. Gostava de encontrar uma pessoa com quem gostasse de partilhar tudo o que é meu até aos meus últimos dias. O meu medo é que essa pessoa também pense assim, mas desista. O casamento de antigamente era mais eterno do que hoje em dia. Qualquer pessoa se divorcia num instante. Cheguei à conclusão que as pessoas não estão para se dar ao trabalho de partilharem tudo da sua vida. Os bons e os maus momentos. Não se querem realmente conhecer. Ninguém é perfeito. Não temos que aturar tudo o que há de mau. Temos que nos saber moldar. Temos que ter vontade de levar as coisas até ao fim.
Assusta a ideia de poder vir a ser a única a querer lutar por isso.
De qualquer maneira o verdadeiro casamento para mim continua a ser eterno e espero não me enganar em relação a isso.
"O que mostro não sou eu, este sorriso é teu". Isto é a verdadeira essência de quando duas pessoas se tornam numa.
Acredito que existe alguém por aí que será capaz de me dar valor e quando isso acontecer eu vou ser uma pessoa melhor. Até lá vou aprender a ser uma melhor pessoa, sozinha.
Estou bem. E isso por agora basta-me.
Fico à espera.
Beijinhos.



sábado, 18 de outubro de 2008

I love U

The moment I wake up
Before I put on my makeup
I say a little pray for you
While combing my hair now,
And wondering what dress to wear now,
I say a little prayer for you

Forever, and ever, you'll stay in my heart
and I will love you
Forever, and ever, we never will part
Oh, how I love you
Together, forever, that's how it must be
To live without you
Would only meen heartbreak for me.

I run for the bus, dear,
While riding I think of us, dear,
I say a little prayer for you.
At work I just take time
And all through my coffee break-time,
I say a little prayer for you.

Forever, and ever, you'll stay in my heart
and I will love you
Forever, and ever we never will part
Oh, how I'll love you
Together, forever, that's how it must be
To live without you
Would only mean heartbreak for me.

I say a little prayer for you

I say a little prayer for you

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Insiste em 0 a 0, eu quero 1 a 1

Hoje acordei cedo... Bem disposta...
O meu dia de ontem soube-me bem! O dia de hoje apetece-me.
Aqui vou eu! Até já. Besos.

Você disse que não sabe se não

Mas também não tem certeza que sim

Quer saber, quando é assim

Deixa vir do coração


Agora só fico à espera...

Teus sinais
Me confundem da cabeça aos pés
Mas por dentro eu te devoro
Teu olhar
Não me diz de exato quem tu és
Mesmo assim eu te devoro
Te devoraria
A qualquer preço
Porque te ignoro ou te conheço
Quando chove ou quando faz frio
Noutro plano
Te devoraria tal Caetano
A Leonardo di Caprio
É um milagre
Tudo que Deus criou pensando em você
Fez a Via Láctea fez os dinossauros
Sem pensar em nada fez a minha vida
E te deu
Sem contar os dias que me faz morrer
Sem saber de ti jogado à solidão
Mas se quer saber se eu quero outra vida
Não, não...

domingo, 5 de outubro de 2008

Mudou sem eu poder dizer não...

Tinha muitas coisas para contar à uns dois dias atrás. Estava contente. Estava bem. Tinha as minhas amigas, fundamentais para a minha sanidade mental ( e atenção que continuo a ter, é apenas expressão. Não ralhes comigo Inês! ). Tinha o Duarte que me faz sentir bem, que me tranquiliza, me diverte e me entretém a cabeça. Seguia a minha dieta ( e sigo ). Tinha vontade de contar tudo à Filipa com um post dedicado apenas a ela como prometido ( Hei-de fazê-lo quando me sentir mais capaz ). Mantinha a minha nova e saudável rotina. Estava bem. Estava contente.

Mudou... Tudo está diferente. Principalmente os sentimentos. Aquilo que se passa cá dentro. Na cabeça e no coração. Estou tão confusa. Estou tão sozinha. Recebi a pior notícia que me podiam dar... Entrei em pânico. Fiquei sem reacção. Depois pensei: Tudo tem que ficar bem. Não sou nada sem a minha avó! E eu vou estar sempre aqui. É a minha principal e única prioridade. A minha avó... A pessoa mais importante da minha vida, que sempre fez tudo por mim precisa agora de mim. E eu vou estar sempre aqui.

Beijinhos.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Topkapi

Muito do que eu acreditava hoje deixou de existir.
Como dizem os brasileiros: Caí na real!
Por várias razões. (Será que voltei a estar depressiva sem dar conta?!?)
Uma parte da minha vida vai deixar de existir. Fica-se pela memória. Tantos bons momentos passados. Parte do que eu sou hoje deve-se a ele. Pode parecer lamechas, mas acompanhou a minha adolescência. Ajudou-me, aconselhou-me, apoiou-me. Esteve lá sempre. Será sempre especial.
Por outro lado, tenho-me sentido mais sozinha que nunca. Secalhar porque não te tenho a ti JMC. Ou secalhar não. Talvez porque estou mesmo sozinha. Ou secalhar porque nos vais abandonar Asdrubal. Ou ainda porque espero uma resposta à dias. Porque me habituei a óptimas companhias no fim de semana e que agora não as tenho. Ou ainda porque é disto que preciso. OU NÃO!

Wait for me, I'm nothing on my own
I'm willing to go on, but not alone, not now
I'm so aware of everything, but nothing seems for real and
As long as you're in front of me then I'll...

Vou fazê-lo! Queria mesmo era o geniozinho...

If you heard it you could go over and whittle out a wishing box
You could write his name on something and put it inside

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

SL



Sophia Lorennome artístico de Sofia Villani Scicolone...

Nomes parecidos, os mesmos genes ( gostava eu ).
Cheia de personalidade, ela ( SL, Sophia Loren ) é a minha inspiração.

Besos, SL ( Sofia Leite ).

I need sushi


Durante a descida é essencial não pensar demais.
Wowww... Estou a ficar tonta! Já fiz asneira...
Vou almoçar ao sushi para recuperar. Inté.
Besos.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

It’s time to lose control and let go...


Descobri que este é o meu lema... "It's time to lose control and let go". Para mim qualquer hora é a certa para perder o controlo e deixar-me ir. Mas sempre com cuidado.
Vai com calma que é a descer, diz ela.
Com toda a razão.

Olho para mim agora e sinto que aprendi qualquer coisa este verão. Muito graças às minhas amigas. Estou mais calma, sinto-me melhor. A minha impulsividade diminuiu e, sem ter noção das consequências, foi isso que me transformou.

Aprendi a deixar-me ir, com calma. Gosto de mim assim...

Estranha ou entranha?

Desculpem recorrer novamente a uma letra de uma música, mas era mesmo isto que eu queria dizer...

Eu tenho o tempo,
Tu tens o chão,
Tens as palavras
Entre a luz e a escuridão.
Eu tenho a noite,
E tu tens a dor,
Tens o silêncio
Que por dentro sei de cor.
E eu, e tu, 
Perdidos e sós,
Amantes distantes,
Que nunca caiam as pontes entre nós.
Eu tenho o medo,
Tu tens a paz,
Tens a loucura 
Que a manhã ainda te traz.
Eu tenho a terra,
Tu tens as mãos,
Tens o desejo 
Que bata em nós um coração.
E eu, e tu, 
Perdidos e sós,
Amantes distantes,
Que nunca caiam as pontes entre nós.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Vontade para aventuras? Naaaaa!

Voltei.
Gostei do fim de semana. Soube-me bem. Animou-me.
Adorei o baptizado. Está cada vez mais querida a minha Teresinha. E os pais babadíssimos. Que amor.
Tive com as minhas irmãs. E adorei. Tava com saudades.
Hoje não sei o que se passa, mas estou um bocado em baixo. Não sei o porquê. Já não é por tua causa D. E ainda bem.
Tenho andado um bocado indisposta e cansada. Só me apetece dormir.
Acho que ando é um bocado desiludida com a vida.
De qualquer maneira... Gostei de te conhecer Sebastião.

Estou com a sensação de que, apesar de uma vontade enorme de encontrar uma boa companhia, o que preciso é de estar sozinha. Acho que já não sou capaz de me entregar a ninguém sem medos. Adorava ser ainda ingénua e não saber tudo o que sei.
Era tudo tão mais simples e bom de acreditar.

Besos.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Dia de hoje

Chega de "lyrics". Explico que as tenho usado por ser a forma mais fácil para mim de comunicar ultimamente. Não tem sido fácil.
Já passou.
Gimme gimme gimme!
Sábado é o baptizado da minha sobrinha Teresinha. Com orgulho, sou uma das poucas pessoas convidadas para a festa. A ver se faço juzo ao convite. Andarei portanto pelo ribatejo, o que acho que é capaz de me saber muito bem, tendo em conta as companhias que me vão rodear.
Entretanto hoje há noitada. A caixinha despede-se dos amigos e, embora ainda nem lhe tenha dito nada e não possa jantar, vou aparecer por lá para lhe dar um beijinho. After that, Lux. A Meri vai uma semaninha de estágio para as terras baixas e eu quero despedir-me como deve ser. É que uma semana, para quem tem passado os últimos tempos juntas, é MUITO!
A Inês parece que também vai ter uma noite citadina, o que significa que me vou divertir ainda mais.
Agora essencial: ir à faculdade tratar da treta da matrícula que não está a dar para fazer online, o que significa que vou estar horas nas filas e logo a seguir correr para casa da Manus onde vou buscar roupa minha que lá se situa "à que tréculos". Tenho que preparar a toilete para o baptizado. Queria ver se ainda conseguia fazer tudo antes do almoço por isso...
Até já!

Sophie is back...

Is there a man out there?
Someone to hear my prayer

Gimme! Gimme! Gimme!
A man after midnight
Won't somebody help me chase the shadows away?
Gimme! Gimme! Gimme! A man after midnight
Take me through the darkness to the break of the day...

D.

I'm not calling for a second chance,
I'm screaming at the top of my voice.
Give me reason but don't give me choice.
'Cause I'll just make the same mistake again.

Saw the world turning in my sheets and once again I cannot sleep.
Walk out the door and up the street; look at the stars.
Look at the stars fall down.
And wonder where did I go wrong.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

How you thrill me...

Honey honey, how you thrill me, ah-hah, honey honey
Honey honey, nearly kill me, ah-hah, honey honey
Id heard about you before
I wanted to know some more
And now I know what they mean, youre a love machine
Oh, you make me dizzy

Honey honey, let me feel it, ah-hah, honey honey
Honey honey, dont conceal it, ah-hah, honey honey
The way that you kiss goodnight
(the way that you kiss me goodnight)
The way that you hold me tight
(the way that youre holding me tight)
I feel like I wanna sing when you do your thing

Honey honey, touch me, baby, ah-hah, honey honey
Honey honey, hold me, baby, ah-hah, honey honey
You look like a movie star
(you look like a movie star)
But I know just who you are
(I know just who you are)
And, honey, to say the least, youre a dog-gone beast...

Atitude!

Amanhã vou ao ginásio!

It's more than just words: it's just tears and rain.

Estou farta de me sentir assim...
Estou cansada de pensar desta maneira...
Estou triste e não quero...
Não consigo explicar!
Paz... Quero Paz...
Quero poder adormecer descansada e ter a certeza de que não me vais surpreender em sonhos.
Quero poder acordar e ter a certeza de que não vou passar o meu dia a pensar em ti.
Quero sentir-me útil. Não triste. Eu não existo triste. Não sou eu.
Queria só que um dia sentisses isto para saberes o quão difícil é. O quão ridículo é. O quão estúpida me sinto.
Mais uma noite e mais um dia...
Beijinhos. Gosto de ti.

sábado, 13 de setembro de 2008

If it would make sense, it wouldn't be love...

Após um fim de semana atribulado, em que o hospital foi a minha última morada, volto a Lisboa, à rotina, à preparação para as aulas e aos almoços com as amigas. Sim, aos almoços verdadeiros. Para quem não soube, estive a fazer uma dieta "Lev". Com o desgaste do meu estômago, tive que a abandonar, mas não por completo. Estou agora mesmo a tomar o meu saboroso cacau matinal. Agora modera-se a dieta. No natal estou magra. Hihihi.
Terminando este ponto, agradeço eternamente à Meri por tudo. (Sei que ainda estou a dever o sushi, não me esqueci ).
Voltando aos sentimentos, admito que não ando a bater bem da tola. Acredito sim que isto me passa em dois tempos, espero. Anseio arduamente que isso aconteça. Penso diversas vezes no porquê de tudo isto que sinto. Descubro que não tem sentido. Será que é amor? Que azar. Sempre pela pessoa errada.
(No próximo post espero já estar a falar de um novo romance, o que significa que ultrapassei este triste conhecimento)
O mais fácil já está feito: o acreditar que não é bom, que só me vai trazer desgostos. Disso é o que menos preciso hoje em dia. Já me chegam as minhas obrigatórias desilusões. Amores posso evitá-los. Pelo menos os amores que desde à partida estão errados.
Precisava mesmo era de um certo, o que com a apresentação dos factos actuais, não me parece que seja um acontecimento previsível. De qualquer maneira continuo aqui à tua espera.
Ou então à "tua" espera D.
Realmente, "If it would make sense, it wouldn't be love".

Inês, existem coisas muito melhores e coisas muito piores. Tens que te agarrar às boas e melhorar as más. Nada é perfeito, muito menos o amor. Muito menos as amizades. Até a família mais perfeita tem os seus defeitos. Apenas eu sou perfeita e isso não se discute. Hihi.